Fiat
Mercado
Spot
Futuros
Finanças
Promoção
Mais
Zona de iniciantes
Fazer Login
Academia de CoinEx

Da Negação à Aceitação: Como as elites de Wall Street veem a Web3?

2023-06-29 06:47:35

Cinco anos atrás, se você mencionasse Bitcoin para profissionais de finanças tradicionais, eles provavelmente zombariam da ideia. No entanto, se você trouxesse isso agora, eles poderiam discutir se o Bitcoin ainda tem potencial para atingir novas altas.

Wall Street no passado: o maior opositor do Bitcoin

O Bitcoin foi desprezado pelas elites de Wall Street por muito tempo após seu surgimento. Os críticos mais proeminentes incluíam o Oráculo de Omaha Warren Buffett e seu parceiro Charlie Munger, que acreditavam que o Bitcoin não oferecia valor intrínseco. Esses “investidores de valor” se recusaram a comprar qualquer Bitcoin, mesmo quando o preço da moeda disparou.

O JPMorgan Chase, um dos bancos de investimento mais renomados do mundo, inicialmente também rejeitou o Bitcoin. Em 2017, o CEO do JPMorgan Chase, Jamie Dimon, referiu-se ao Bitcoin como um “esquema Ponzi descentralizado” e disse que demitiria imediatamente qualquer trader do banco que se envolvesse em negociações de Bitcoin porque era estúpido.

Além disso, outros ícones da Wall Street, como Goldman Sachs, expressaram ceticismo sobre o Bitcoin em 2020. A crítica de Wall Street ao Bitcoin não é surpreendente. Os padrões financeiros tradicionais não podem ser aplicados para avaliar o valor das criptomoedas, e a maioria das elites de Wall Street estava satisfeita com o sistema financeiro tradicional existente.

Para aqueles que desfrutam de interesses estabelecidos, manter o status quo é muito mais simples do que aceitar um disruptor.

Wall Street no Presente: Abraçando as Criptomoedas

A oposição das elites de Wall Street não durou muito. Enquanto figuras estabelecidas como Warren Buffett ainda têm uma visão obscura do Bitcoin, uma nova geração de investidores, que sempre favoreceu tecnologias emergentes, abraçou a criptomoeda.

Por exemplo, Elon Musk, que tem a reputação de ir contra a corrente, criticou Buffett por perder a Tesla e ridicularizou suas opiniões sobre o Bitcoin. A célebre gestora de fundos de Wall Street, Cathie Wood, conhecida por suas apostas contínuas em ações de tecnologia, fez previsões ainda mais ousadas, prevendo que o Bitcoin chegaria a US$ 1 milhão até 2030.

Além disso, as principais empresas de investimento também estão começando a aceitar criptomoedas. O JPMorgan Chase, por exemplo, publica regularmente relatórios sobre criptoativos e colaborou com o projeto blockchain Polygon em 2022 para realizar testes de transações internacionais.

O Goldman Sachs adotou uma postura ainda mais positiva em relação às criptomoedas: ofereceu a primeira facilidade de empréstimo com garantia em Bitcoin, envolveu-se em negociações de opções de Bitcoin no mercado de balcão e estabeleceu uma equipe dedicada a ativos digitais.

Além disso, outros gigantes bancários de Wall Street, como Citigroup, Wells Fargo e Morgan Stanley, também estão se aventurando no campo da blockchain e das criptomoedas.

Wall Street é a solução ideal para Web3?

A mudança na atitude de Wall Street em relação às criptomoedas é evidente. Por um lado, as criptomoedas continuam estabelecendo novos recordes em termos de capitalização de mercado, surgindo como os ativos inovadores de melhor desempenho nos últimos anos, o que levou Wall Street a estudar essa nova invenção.

Por outro lado, com o avanço da tecnologia blockchain, as aplicações da Web3 amadureceram, dando origem a categorias inovadoras como DeFi, NFTs e DAOs.

As novas categorias atraíram um número crescente de usuários, demonstrando que as criptomoedas não são mais apenas conceitos sem aplicações do mundo real. Nesse sentido, Wall Street precisa reconhecer o valor e o potencial futuro da Web3.

Dito isso, Wall Street realmente não abraçou a Web3; mas teve que aceitar a Web3 para melhor preservar o sistema financeiro tradicional. Para tanto, as elites de Wall Street tentaram “conquistar” a indústria cripto por meio de aquisições massivas, mas parece que seus esforços não renderam os resultados desejados.

Por exemplo, Sam Bankman-Fried, um ex-trader prodígio apoiado pelo capital da Wall Street, liderou a FTX em aquisições e expansões agressivas enquanto tentava dominar o mercado de DeFi usando os padrões do setor. No entanto, ele finalmente teve que pedir falência devido à apropriação indevida de fundos dos usuários.

Os princípios defendidos pela Wall Street vão contra o espírito da Web3 e das criptomoedas, uma contradição bem demonstrada durante a saga GameStop. A Web3 propõe descentralização, transparência e igualdade para todos, enquanto Wall Street sempre despreza os investidores de varejo e defende os interesses das elites.

As elites de Wall Street só não podem ignorar as criptomoedas neste caso, porém, o desenvolvimento da Web3 não é uma festa para Wall Street.

No Líbano, onde o sistema bancário quase entrou em colapso, muitas empresas estão cotando preços em Bitcoin. O Vietnã, com uma das taxas de inclusão financeira mais baixas do mundo, está entre os primeiros em termos de adoção de criptomoedas, de acordo com a Chainalysis.

Ao redor do mundo, um grande número de pessoas não bancarizadas está realizando transações com criptomoedas. É claro que os projetos Web3 com ampla adoção são os que alcançarão o sucesso a longo prazo.

Conforme destacado pela exchange cripto global CoinEx, a solução definitiva para o futuro da Web3 e da indústria cripto envolve “libertar-se das barreiras das finanças tradicionais, preencher a lacuna de informações entre investidores de varejo e players institucionais e permitir que todos desfrutem de serviços de criptomoedas acessíveis e transparentes.”

Artigo Passado
Novos cenários sociais na Web3
Artigo Próximo
Web3 e Blockchain: de alvos de ceticismo a disruptores das finanças tradicionais